Manhã de Formação ICJA

Manhã de Formação ICJA

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A Iniciação Cristã do Adulto em Forma de Catecumenato


Parte 2

III. Catequese e catecumenato
O catecumenato permanece, no entender e na vontade da Igreja, o modelo inspirador perene de toda ação catequética. Pois a autenticidade da ação eclesial depende da fidelidade às Escrituras e às fontes da Tradição apostólica. As reformas litúrgicas havidas na história da Igreja – incluindo certamente a realizada pelo II Concílio Vaticano – sempre se pautaram pela fidelidade a esse duplo critério. Ora, a Igreja entende que a Tradição apostólica encontra sua expressão doutrinária e celebrativa mais pujante e autêntica na liturgia cristã dos primeiros séculos, toda originada e construída em torno e em função do Mistério Pascal.

IV. Catecumenato hoje
Hoje, mais do que nunca, os cristãos têm necessidade de confrontar-se com o específico da sua identidade, indo haurir às fontes da mesma. Essa é a condição para toda autêntica renovação, que é, ao mesmo tempo, revigoramento e fidelidade à essência da coisa a ser renovada.
Por isso, a Igreja insiste na revalorização das fontes cristãs e na sábia utilização deste tesouro perene no contexto do mundo atual.
Portanto, os que não receberam o Batismo já tendo atingido a idade da razão, têm o direito (salvo justificadas exceções) de receber da Igreja uma preparação dentro dos moldes do catecumenato. Quanto aos que se preparam para receber separadamente os outros sacramentos da iniciação, é desejável que a preparação dos mesmos leve em conta toda a riqueza de método e conteúdo do programa catecumenal, de modo a proporcionar-lhes um contato frutuoso com o que de melhor e de mais sólido se lhes pode oferecer.

(Pe. Sérgio Cavalcanti Muniz)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Escola Semear de Liderança Jovem


A ESCOLA SEMEAR DE LIDERANÇA JOVEM abre inscrições para o ano de 2010.

Para melhor alcançar os jovens, a escola é dividida em módulos que em sua maioria serão ministrados durante a noite (a partir das 19:30h) e no período de férias escolar. Cada módulo corresponde a um tema e é sempre acompanhado de uma dinâmica própria que, além de potencializar a formação, faz da escola uma oportunidade única e extremamente participativa.
O Jovem que se inscrever, deve se comprometer com fidelidade para com a freqüência nos módulos e a participação nas dinâmicas. As inscrições podem ser feitas através:

- do e-mail:: comunidade.pequenorebanho@yahoo.com.br
- pelo telefone: 3352-5950 (a partir das 15h00)


Lembramos que as vagas são limitadas. Abaixo seguem os módulos e o calendário da escola:

O jovem discípulo (19h30)
18, 19 e 20/01 - seg a qua
Jovem protagonista da história (19h30)
26 e 27/01 - ter e qua
Apostolado Jovem
29/01 - sex 19h30
30/01 - sáb 8h30 às 16h00
31/01 - dom 8h30 às 16h00
O jovem anunciador (19h30)
02 a 05/02 - ter a sex

Comunidade Católica Pequeno Rebano - Travessa da Generosidade, 162 – Vila da Penha – Rio/RJ.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A Iniciação Cristã do Adulto em Forma de Catecumenato


PARTE I

I.O que é o catecumenato?
Catecúmenos, originalmente, eram todos aqueles que se preparavam para receber os sacramentos da iniciação cristã: Batismo, Crisma e Eucaristia. O catecumenato, então, é o período de preparação necessária e a preparação mesma para a recepção daqueles sacramentos.
Com a expansão do cristianismo e conseqüente generalização do Batismo de crianças não chegadas à idade da razão, desapareceu o catecumenato. Em sentido abrangente, contudo, podemos considerar catecúmenos os que ainda, apesar do Batismo recebido, preparam-se ainda para receber a Crisma e/ou a Eucaristia.

II. Na Igreja primitiva
O berço do catecumenato é a Igreja dos primeiros séculos (a partir do Século III). A maioria dos que recebiam o Batismo era composta de adultos. Pode-se dizer que inicialmente o Batismo de crianças era uma exceção, porque os primeiros cristãos não o eram “de berço”, mas de conversão, seja do judaísmo, seja do paganismo, embora haja indícios do Batismo de crianças, filhos de pais cristãos, já na era apostólica – Século I.
O período de preparação variava, mas geralmente era longo, durava 3 (três) anos. Isso porque supunha não somente a instrução nas verdades da fé, mas também a conversão dos costumes. Era a Igreja que avaliava se, ao fim de um dado período, o candidato poderia ou não receber o Batismo, ou se deveria esperar.
A base da instrução catecumenal era (e permanece sendo!): (a) o símbolo de fé; (b) o decálogo; (c) a oração dominical (Pai Nosso) e a iniciação aos “divinos mistérios” ou sacramentos a serem celebrados e recebidos (ficando boa parte desta iniciação para depois da recepção).
Os sacramentos da iniciação eram sempre conferidos na “Mãe de todas as santas vigílias”, a Vigília Pascal. A Quaresma surgiu como preparação próxima mais intensa: dos catecúmenos, para receberem os sacramentos; dos fiéis, para acompanhar os catecúmenos na oração e na penitência, bem como para renovar em profundidade a iniciação já recebida.
Bem característico da iniciação na forma do catecumenato é que ela se desdobra em certos ritos especiais a serem realizados nos domingos da Quaresma que antecede a recepção dos sacramentos.

(Pe. Sérgio Cavalcanti Muniz)