Manhã de Formação ICJA

Manhã de Formação ICJA

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Vocação: “uma semente que cai em terra boa”

A palavra vocação vem do latim vocare, que significa chamado. Assim, se alguém chama, necessariamente, deve haver alguém que escute e responda. Na mensagem pelo Dia Mundial de Oração pelas Vocações, em 2014, Papa Francisco destacou que todo chamado exige um êxodo de si mesmo para centrar a própria existência em Cristo e que “nenhuma vocação nasce por si, nem vive para si. A vocação brota do coração de Deus e germina na terra boa do povo fiel, na experiência do amor fraterno”.
Com esse desejo, 67 jovens de oito vicariatos da Arquidiocese do Rio de Janeiro participaram do 31º Encontro Vocacional do Vicariato Suburbano e do 4º Encontro Vocacional Arquidiocesano, realizado na Fazenda São Joaquim das Arcas, em Itaipava, entre os dias 15 e 19 de agosto. 
Nesse encontro, os vocacionados tiveram a oportunidade de dedicar um tempo mais específico para pensar e amadurecer o ideal vocacional, além de trabalhar os temas da oração pessoal, da vida comunitária e religiosa. Eles também participaram de palestras sobre o sacerdócio e a missão do padre no mundo, de partilhas sobre temas vocacionais mais aprofundados, de momentos de oração, adoração, missa diária e uma gincana, cujo objetivo era promover a vida comunitária.
“Por meio de brincadeiras, competições e com bastante garra conseguimos demonstrar, de alguma forma, para os participantes que o caminho vocacional é, de fato, um grande desafio, mas que pode ser trilhado na medida em que mantemos o nosso olhar fixo em Jesus e, também, cultivamos a vida fraterna, que é um caminho de santidade”, explicou o seminarista Islandson Felix.
O desejo de auxiliar no discernimento dos futuros sacerdotes surgiu no coração do monsenhor José Mazine há 15 anos, quando ele iniciou o trabalho apenas com o vocacional no Vicariato Suburbano. Há dois anos, os retiros foram estendidos em âmbito arquidiocesano.
“Esses encontros servem para lançar as sementes. Não posso afirmar que os 67 jovens serão sacerdotes, porém é como uma semente que cai em terra boa e dá frutos. Nesse período de discernimento, o apoio da família é importante e o do Cardeal Orani João Tempesta é um grande estímulo para os vocacionados. Já estamos pensando no próximo encontro que vai acontecer na última semana de janeiro. É um trabalho que requer tempo, mas temos a esperança de que ele vai gerar muitos frutos”, completou.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Conselho Arquidiocesano incentiva evangelização em universidades do Rio

Os diversos movimentos de evangelização em Universidades contam com o apoio do Conselho Arquidiocesano da Renovação Carismática Católica do Rio de Janeiro e do setor Universidades. No Rio de Janeiro, seis Universidades fazem parte do movimento. 


Fonte: http://redevida.com.br/programa/jctv/conselho-arquidiocesano-incentiva-evangelizacao-em-universidades-do-rio.html

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Jovens fazem missão nos Jogos Olímpicos

A cidade do Rio de Janeiro sediou os Jogos Olímpicos, e o Ministério Jovem da Renovação Católica Carismática (RCC) realizou em um final de semana, dias 6 e 7 de agosto, a missão “Jesus nas Olimpíadas”. Com cerca de 130 jovens de todo Estado do Rio de Janeiro e de alguns outros estados do país, os missionários percorreram alguns locais da cidade com ‘arrastões’ de evangelização e partilha da Palavra de Deus.
A missão foi desempenhada com abordagens pessoais, nas quais os missionários escutam a pessoa e anunciam a Palavra. Em muitos momentos, as pessoas abordadas partilham a vida, apresentam as intenções do coração e rezam junto com os missionários. Foi o que aconteceu no entorno do estádio do Maracanã, quando missionários abordaram agentes de segurança, da Guarda Municipal, Polícia Militar e Força Nacional, e rezaram por eles.
Segundo o presidente do conselho da RCC na Arquidiocese do Rio de Janeiro, Dário Pereira, foi um momento marcante, pois no meio de toda tensão dos Jogos, os militares se abriram à oração. “Os jovens deram a eles o sentido de que a segurança não vem somente dos homens, mas de Deus”, completou.
Ainda no final de semana, o grupo de missionários se dirigiu para a comunidade de Rio das Pedras, no Vicariato Jacarepaguá, onde está localizado o Parque Olímpico. De acordo com a coordenadora do Ministério Jovem na Arquidiocese do Rio, Kaline de Lima, é uma comunidade que carece de muita infraestrutura. Nela, os missionários foram de casa em casa. Após as visitas, todos os missionários foram para a paróquia da comunidade, onde realizaram um grande grupo de oração. E finalizando no domingo pela manhã, dia 7 de agosto, a missão foi para a Praia de Copacabana, onde os missionários fizeram abordagem com os turistas e moradores da cidade.

‘Missões Mundiais’
O “Jesus nas Olimpíadas” surgiu como parte do projeto “Missões Mundiais”, que foi elaborado pela coordenação nacional do Ministério Jovem. Faziam parte das “Missões Mundiais” todos os grandes eventos que o Brasil sediaria nestes anos: a Jornada Mundial da Juventude Rio 2013, a Copa do Mundo Fifa 2014 e os Jogos Olímpicos Rio 2016. Em todas as ocasiões, missionários de diversas partes do país se mobilizaram para anunciar a Palavra de Deus aos visitantes e moradores das cidades envolvidas. Exceto na Copa do Mundo 2014, quando as missões foram distribuídas em todas as 12 cidades-sede do evento, as outras duas missões mundiais foram concentradas no Rio de Janeiro.

Fonte: Jornal Testemunho de Fé, página 8

terça-feira, 16 de agosto de 2016

D. Orani celebra Missa para atletas na Vila Olímpica

O Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, presidiu no domingo, 14, uma Missa no Centro Inter-religioso da Vila Olímpica, com a participação de 8 delegações. Para o Purpurado, este momento demonstrou a importância de seguir com o anúncio de Cristo e também do respeito entre as religiões.
“Tivemos a oportunidade de celebrar o domingo, o dia do Senhor, aqui na Vila Olímpica”, expressou Dom Orani à Rádio Catedral, ressaltando que, inicialmente a celebração era “para a delegação do Brasil, mas vieram também outras delegações do mundo para participar da Missa”.
Para o Cardeal, foi uma ocasião de “muita alegria” poder ver “em quantos lugares nós temos pessoas que creem em Cristo, buscam Deus e, ao mesmo tempo, querem fazer do domingo o dia do Senhor”.
Dom Orani sublinhou que ter essa possibilidade de encontrar pessoas do mundo inteiro demonstra “a importância de continuar nossa busca de levar adiante Jesus Cristo, o respeito às demais religiões e, ao mesmo tempo, fazer do esporte uma oportunidade de congraçamento, de encontro entre pessoas”.
A Vila Olímpica da Rio2016 abriga mais de 11 mil atletas do mundo todo. O Centro Inter-religioso deste local tem como coordenador o sacerdote da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Padre Leandro Lenin.
No espaço, há uma sala para cada religião: cristianismo, judaísmo, budismo, hinduísmo e islamismo (esta última com uma sala extra para mulheres). Além disso, conforme assinalou o Cardeal Orani em um artigo de julho sobre este tema, “sempre haverá a abertura para o atleta pedir um ministro de sua religião que não estiver contemplada na lista inicial”.
“O fato de existir um Centro Inter-religioso na Vila Olímpica demonstra justamente este respeito pelas religiões, porque cada um tem seu espaço aqui e quem mais quiser pode vir quando for convocado para atender os atletas”, acrescentou o Arcebispo à Rádio Catedral.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/dom-orani-celebra-missa-para-atletas-na-vila-olimpica-16919/

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Papa Francisco encontra jovens salvas da prostituição

“Eu vos peço perdão por todos aqueles homens que vos fizeram sofrer”. No âmbito das “Sextas-feiras da Misericórdia”, o Papa Francisco visitou na tarde de sexta-feira, 12 de agosto, a estrutura romana da “Comunidade Papa João XXIII”, fundada pelo Padre Oreste Benzi, e que acolhe 20 mulheres libertadas da escravidão da prostituição.
Seis delas são provenientes da Romênia, 4 da Albânia, 7 da Nigéria e as outras três da Tunísia, Itália e Ucrânia. A idade média das hóspedes da estrutura é de 30 anos. Todas sofreram graves violências físicas e vivem sob proteção.
Além das vinte mulheres, o Santo Padre também foi acolhido pelo responsável geral da Comunidade, Giovanni Paolo Ramonda, pelo assistente espiritual, Padre Aldo,  além de dois agentes que atuam nas ruas e a responsável pelo apartamento, localizado no centro de Roma.

Confiança
O Papa permaneceu mais de uma hora no local, rezando junto com a pequena comunidade e ouvindo as tristes experiências vividas pelas jovens, encorajando-as a olhar em frente com confiança. “Se alguém te disser que Cristo não ressuscitou, tu podes dizer a ele que Cristo ressuscitou, porque tu és testemunha disto”, disse Francisco a uma jovem vinda da Romênia para trabalhar como baby-sitter e que viu-se obrigada a prostituir-se nas ruas de Roma.

Perdão
Nos encontros, o Papa Francisco quis quase que desculpar-se pessoalmente com as jovens pelos erros a que foram submetidas: “Peço perdão por todos aqueles católicos e fieis que vos exploraram, abusaram e violentaram”. Este encontro – explicou – servirá para repreender quem merece. “Vivam com esperança e alegria o futuro que vos espera”, exortou ao final.
Eis o que o assistente espiritual da Comunidade, Padre Aldo Bonaiuto, disse em entrevista à Rádio Vaticano sobre a visita improvisada do Papa:

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Abertas as inscrições para o curso de Agentes de Pastoral Universitária

Atendendo as perspectivas da ação das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, que faz um convite para um cuidar da formação de pensadores e pessoas engajadas com a evangelização nos novos areópagos, entre eles o mundo universitário, o Setor Unidades da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realizará o III Curso para Agentes de Pastoral Universitária.
Com o objetivo de oferecer formação integral aos estudantes, professores e colaboradores do Ensino Superior, assim como aos voluntários interessados em atuar como agentes da ação evangelizadora neste âmbito, o curso acontecerá entre os dias 23 e 25 de setembro, no Centro de Acolhida Assunção, no Rio de Janeiro.
As inscrições para participar do evento seguirão abertas até o dia 21 de agosto. Para se inscrever, é necessário preencher o formulário disponível no site Universitários Cristãos.

Foto: CNBB

Fonte: http://arqrio.org/noticias/detalhes/4707/abertas-as-inscricoes-para-o-curso-de-agentes-de-pastoral-universitaria


Jogador de basquete australiano nascido nos EUA competindo no Rio concentra-se na fé, diz técnico

O jogador de basquete profissional Kevin Lisch trabalha duro em sua profissão.
Ele jogou a Divisão I (o nível mais alto dos jogos universitários aprovado pela Associação Atlética Nacional dos EUA) pela St. Louis University, estava pronto para o draft da NBA (evento anual no qual times da NBA podem recrutar novos jogadores) quando se formou em 2009, venceu campeonatos profissionais na Espanha, França e Austrália e, hoje, encontra-se no Rio de Janeiro representando a Austrália, meses após ser contratado pelo Sydney Kings e ganhar a cidadania australiana.
A reportagem é de Colleen Dulle, publicada por National Catholic Reporter, 10-08-2015. A tradução de Isaque Gomes Correa.
Mas, disse Lisch, Deus sempre esteve no centro. As pessoas que o conhecem confirmam essa afirmação.
Nascido e criado em Belleville, Illinois, Lisch, de 30 anos, frequentou escolas católicas durante toda a vida, começando na Blessed Sacrament (para o ensino fundamental), depois na Althoff Catholic High School (ensino médio) e, por fim, na St. Louis University, onde está na Calçada Billiken da Fama.
Greg Lieb, técnico de Lisch durante os anos de ensino médio, contou aos Catholic News Service que no ensino médio Lisch já se destacava por diferentes motivos:
Segundo Lieb em entrevista por telefone, Lisch como um jogador reúne muitas qualidades: “Ele é resistente, tem um bom porte físico, trabalha duro e, acima de tudo, é um grande jogador”.
Lisch e a seleção australiana de basquete jogam contra os EUA na quarta-feira no Rio de Janeiro.
Lieb disse que Lisch era ainda melhor nos estudos do que o era no basquete, juntando-se ao conselho estudantil daSociedade Honorífica Nacional. A sua fé, segundo Lieb, sempre lhe foi importante.
“Vocês podem encontrar ele indo diariamente à missa. Se quisermos nos encontrar com ele, é só ir à missa das 8h na Igreja de St. Henry”, diz Lieb. Os dois mantiveram a amizade ao longo dos anos, mesmo depois que Lisch mudou-se para a Austrália em 2009.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Superginasta Simone Biles: entre medalhas de ouro, o terço e a Santa Missa!

Simone Biles se tornou rapidamente a favorita para dominar as competições de ginástica artística nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Com apresentações impecáveis, ela tem maravilhado a todos com sua habilidade extraordinária e com sua capacidade de autodomínio sob a imensa pressão dos juízes.
Até agora, Simone não era internacionalmente conhecida pelo grande público – aliás, estas são as suas primeiras Olimpíadas. No entanto, o seu nível de excelência na ginástica artística equivale a nada menos que o de Michael Phelps na natação, o de Usain Bolt no atletismo, o de Marta no futebol. Os comentaristas esportivos são praticamente unânimes em afirmar que ela se tornará em breve a maior de todos os tempos em sua modalidade, superando a mítica Nadia Comaneci.

E o que a leva a ser a melhor?
Para responder a esta pergunta, a revista Us pediu recentemente a Simone que esvaziasse a sua bolsa de ginástica, na esperança de encontrar ali dentro alguma pista secreta do seu sucesso. A maior parte do conteúdo não foi nenhuma surpresa, mas algo chamou a atenção da reportagem: um rosário branco. Simone Biles explicou: “Minha mãe, Nellie, pegou um rosário para mim na igreja. Não é para rezar antes das competições. É para rezar no dia a dia. Mas ele está ali, mesmo assim“.
A fé tem sido uma das únicas constantes na sua vida atribulada. Simone Biles nasceu em Ohio, filha de uma mulher às voltas com o vício em drogas e álcool. Quando Simone tinha 3 anos, a mãe perdeu a guarda das filhas. A assistente social entrou em contato com os avós da menina e da sua irmãzinha, no Texas, e eles se voluntariaram de imediato para adotar as duas: “Entregue as crianças para nós. Não queremos que elas sejam criadas por estranhos“.
Simone hoje chama os avós de “mãe e pai” e vai com eles à missa dominical. Eles têm sido uma grande influência em sua vida, apoiando-a desde o início.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Esta atleta de 17 anos correrá na Rio2016 e coloca sua confiança em Deus

            Sydney McLaughlin, que com apenas 17 anos tornou-se o membro mais jovem da delegação dos Estados Unidos para participar dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio do Janeiro (Brasil), considera que sua fé cristã a impulsa a competir com os melhores atletas do mundo.
            “O atletismo é um esporte muito mental, há muita pressão e colocam a expectativa no atleta. Cumprir com o que sei e saber que tudo o que foi dado provém de Deus, sem dúvida, tem um papel muito importante para mim”, disse a atleta ao Grupo ACI.
            No dia 10 de julho, com apenas 16 anos, McLaughlin conseguiu ser classificada, foi a terceira colocada nos 400 metros com barreiras nos treinos do estado de Oregon, apesar de nos últimos meses ter tido o vírus da mononucleose e sua mãe ter sofrido um ataque cardíaco e nervoso antes da competição.
            McLaughlin nasceu em Nova Jersey e frequentou o Colégio local União Católica (Union Catholic High School).
            Como cristã, explicou que sua fé em Deus a ajudou durante toda a viagem e encontrou a coragem para competir com a ajuda da sua família e dos seus treinadores. Apesar do medo das provas olímpicas e de estar a ponto de voltar atrás, McLaughlin acabou estabelecendo um novo recorde mundial juvenil em 54,14 segundos, realizado por Xing Wang, da China em 2005.
            “As olimpíadas sempre estiveram em minha mente, mas não aos meus 16 anos. Esta vitória sem dúvida mostrou que este é o plano de Deus para mim”, disse a atleta.