Manhã de Formação ICJA

Manhã de Formação ICJA

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Jovem baleado se recupera e está pronto para ir à JMJ

Assim como muitos jovens Brasil afora, Felipe Ramon, de 23 anos, organizou-se com os amigos para arrecadar dinheiro e ir para a Jornada Mundial da Juventude. Depois de muito trabalho e muita economia, as dificuldades foram superadas e os recursos, obtidos. Mas ainda havia outro obstáculo a superar: um tiro. No dia 13 de janeiro deste ano, bandidos invadiram sua casa e, na tentativa de assalto, ele acabou baleado no pescoço. Entrou em coma, esteve entre a vida e a morte. Mas com a força de Deus, com fé e o apoio dos amigos, está se recuperando e superando tudo – e agora faz os últimos preparativos para, sim, participar da JMJ Rio2013.
Felipe tem 23 anos. Termina neste ano, estudando agora em casa, o curso de Tecnologia em Automação Industrial na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). No final de 2012 deixou o trabalho para se preparar para um concurso e para participar da Missão 10 anos Jesus no Litoral, que trabalha na evangelização nas praias do Brasil. Ele é integrante do Ministério Jovem da Renovação Carismática Católica e atua na Paróquia Nossa Senhora do Monte Claro, na Diocese de Ponta Grossa, Paraná.
A luta de Felipe comoveu muitas pessoas, que se mobilizam para rezar por sua recuperação e para apoiá-lo. Quando a Cruz dos Jovens e o Ícone de Nossa Senhora, Símbolos da Jornada Mundial da Juventude, peregrinaram por sua diocese, ele não pôde ir até eles – então, eles foram levados até sua casa.
Confira a seguir a entrevista exclusiva com Felipe Ramon, em que ele conta como tudo aconteceu, como ele reagiu, e como está sendo sua preparação e suas expectativas em relação à Jornada Mundial da Juventude.

Apresentações artísticas nos atos centrais vão mostrar a Igreja jovem

Os jovens e suas formas de expressão vão ser representados durante as apresentações artísticas nos Atos Centrais da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013. Ao todo, cerca de 300 artistas passarão pelos palcos dos Atos Centrais na JMJ Rio2013.
“Queremos traduzir os desejos dos jovens como um todo, da Igreja”, destacou o diretor executivo do Setor Atos Centrais da JMJ, Padre Renato Martins, durante coletiva à imprensa nesta quinta-feira, 27. Para ele, cultura e arte são capazes de atrair todos os jovens.
            Os shows e apresentações artísticas dos atos centrais são inspirados no Rio de Janeiro, mas na tentativa de representar todos os jovens do mundo, segundo o diretor geral da Via-Sacra, Ulysses Cruz. “Vamos mostra a visão jovem da Igreja. Os jovens serão retratados como ideia”, explicou.
Nomes de peso da música católica como Ziza Fernandes, Adriana Arydes, Allyson Castro, Irmã Kelly Patrícia, Martin Duarte, Diego Fernandes, Suely Façanha, Davidson Silva, Cristiano Pinheiro, Ana Gabriela, Celina Borges, Dunga, Eliana Ribeiro, Olívia Ferreira, Márcio Pacheco fazem parte do grupo de artistas da Jornada.
O grupo dos cantores católicos inclui ainda Banda Dom, Ministério Adoração e Vida, Ministério Missionário Shalom, Banda Rosa de Saron e Banda Dominus. Entre os internacionais, entre os destaques estão Martín Valverde (Costa Rica / México), Kiki Troia (Argentina), Judy Bailey (Alemanha), Matt Maher (Estados Unidos), Son By Four (Porto Rico), Cardiac Move (Alemanha), Martin Duarte (Argentina), Rex Band (Índia), Migueli (Espanha), Matt Maher (EUA), Francisco Avello (Chile), Tony Melendez (EUA/ Nicarágua), Olivia, Jon Carlo (República Dominicana), Athenas (Argentina).
Há ainda entre os padres presentes Fábio de Melo, Reginaldo Manzotti, Marcelo Rossi, Gleuson Gomes, Jorjão Antônio Maria, Joãozinho, Juarez de Castro, Omar Raposo.
O “Show do Futuro” terá a presença de vários depoimentos de jovens no palco do Campus Fidei, em Guaratiba. Já foram gravados mais de 400 depoimentos, segundo Edson Erdmann, diretor artístico dos eventos de Guaratiba, Os testemunhos serão apresentados em totens.
Na Via-Sacra serão 14 estações, 13 das quais ao longo da Avenida Atlântica. Há ainda artistas seculares que professam a fé católica, como Cássia Kiss, que interpretará Maria Santíssima, além de Ana Maria Braga, Murilo Rosa, Eriberto Leão e Lívia Aragão. Na vigília, em Guaratiba, jovens vão se apresentar para o Papa. O ato artístico contará também com as participações do ator Tony Ramos e do cantor Luan Santana, que cantará uma música católica.

Segurança do público
A garantia da segurança do público é prioridade para a Jornada, segundo afirmou Padre Renato. De acordo com ele, haverá um controle de todas as áreas onde vão acontecer os atos centrais com o apoio integrado das diversas forças policiais. A Polícia Militar e a Guarda Municipal têm um papel mais próximo dos peregrinos.
Sobre os protestos que estão acontecendo no Rio de Janeiro e em outras cidades do País, Padre Renato afirmou que é importante para a juventude manifestar suas opiniões. 

Confira a lista de artistas participantes:

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Formações, debates e orações estão no roteiro do preparação para JMJ

     

     Com a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) chegando, alguns itens são essenciais para levar na mala, como um par de chinelos, tênis, produtos de higiene pessoal. Mas ainda mais importante é ir para a JMJ com uma bagagem de preparação, com partilha, meditação, debate e reflexão sobre o que é esse encontro de fé e como ele pode servir para nossa união maior com Deus e os irmãos em favor de todos. Os jovens se prepararam de diferentes maneiras para poder participar melhor da JMJ, que espera receber cerca de 2 milhões de jovens na missa de encerramento em Guaratiba com o papa Francisco. Um bom instrumento para reflexão é a mensagem enviada pelo bispo emérito Bento XVI em preparação para a JMJ. O texto-base da Campanha da Fraternidade 2013, dedicada à juventude, também auxilia muito na preparação dos pequenos grupos para o encontro com milhares de jovens e, em especial, para pensar como viver a evangelização juvenil com os frutos que a jornada pode gerar.
    A Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) preparou dois subsídios (para jovens e para adultos) de preparação, com sugestões de encontros para pensar e rezar à luz do convite da Jornada de ir e fazer discípulos a todos os povos. Muitos outros documentos foram feitos, outros vários traduzidos. Vale a pena buscar conhecer, ainda dá tendo de se aprofundar e melhorar sua participação na JMJ. Isabella Pimenta, 23 anos, mora em Curitiba (PR) e vai participar da jornada pela primeira vez. Com a JMJ de Madri ela começou a pesquisar mais sobre o evento e se deu conta da “intensidade” do encontro. Depois de conhecer mais a jornada, ela convidou amigos e agora o grupo da paróquia já tem 31 pessoas.
       — Todos hoje estão a mil, estamos aflitos de felicidade esperando o dia de entrar no ônibus.
   O grupo dela se reúne uma vez por mês para se formar com o subsídio da JMJ e uma cartilha feita pela arquidiocese de Curitiba e também todo mês faz adoração, junto com a comunidade paroquial.
  — Espero me renovar espiritualmente, voltar para a minha paróquia e mostrar esse Deus e fazer cada pessoa sentir um pouco que seja do que foi vivido no Rio, disse.

Renovação
— Renovação. Acredito que essa palavra traduz com clareza a esperança que traz uma Jornada Mundial tanto pessoalmente como coletivamente, afirma Luis Adriano da Silva, 25 anos, que participa da Pastoral da Juventude do Meio Popular na Arquidiocese de Maceió (AL).
     Ele irá à JMJ com a Comissão de Juventude do Regional Nordeste 2 da CNBB (que engloba os estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte).
 O grupo de peregrinos é formado por um jovem de cada expressão que atua na comissão, dois secretários jovens e três padres assessores.
— Espero que a jornada seja um verdadeiro reacender das chamas para a evangelização da juventude do nosso País, que a partir da pluralidade de experiências deste evento, as expressões juvenis comecem a pensar uma igreja una e diversa, disse o jovem secretário da comissão, que também espera ver mais união de diferentes realidades juvenis também de fora da Igreja com o evento, completou.
 Segundo Luís Adriano, a preparação da JMJ tem intensificado a formação cotidiana nos grupos de base. Além dos materiais oficiais da jornada, os jovens da PJMP têm usado o Documento 85 da CNBB, sobre evangelização da juventude, além do subsídio “Aos quatro ventos” com os pilares dessa pastoral e uma versão do Civilização do Amor, documento base da Pastoral Juvenil Latinoamericana. Isso sem esquecer a Leitura Orante da Bíblia nos encontros.
  — A JMJ para mim é um momento que culmina uma etapa de lutas e me fortalecerá na fé pra continuar lutando, disse, ao citar a juventude que sofre violência e é exterminada cotidianamente.
 Para Janaína Ferreira, estudante de medicina em Palmas (TO), a primeira jornada será a oportunidade para escutar de perto as homilias do papa Francisco, além de encontrar irmãos na fé.
 — Ver outras pessoas do mundo que possuem a minha fé me ajuda a acreditar que por ela vale a pena se viver, dar a vida se for preciso algum dia… E me motiva a conhecer mais a Deus também, disse.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Jovens pelo mundo se unem em orações a um mês da Jornada

Na data que marca um mês para o início da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013, no próximo domingo, 23, jovens do mundo inteiro se unem em uma grande corrente de oração pelo evento. As redes sociais, que conectam as pessoas para criar e fortalecer relacionamentos, vão ser o grande veículo da campanha internacional do Comitê Organizador Local (COL) em parceria com o May Fellings que vai se estender até 23 de julho.
Para participar basta entrar na página da JMJ Rio2013 no site mayfeelings.com e fazer o login através do Facebook ou Google+. Com a hashtag #Pray4WYD, os jovens podem contribuir com a divulgação da campanha.
No site será possível acompanhar as orações simultâneas de pessoas de diferentes países. Durante os 30 dias, o mapa do site vai destacar os lugares onde há alguém rezando pelo encontro da juventude com o Papa e os últimos preparativos.
A segunda etapa da campanha vai acontecer durante a semana da JMJ Rio2013 com o objetivo de unir o mundo inteiro em oração com o Papa. O slogan “E se a JMJ for 50 milhões de pessoas?” revela o desejo de unir todas as nações com o sucessor de Pedro.
Clique aqui e reze pela JMJ Rio2013. 

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Um exemplo de evangelização

Peregrinar caminhando cerca de 3 mil km, incorporar o lema da JMJ Rio2013 e anunciar o evangelho por diferentes cidades e estados do Brasil. E ainda, motivar a juventude a seguir a mesma direção e se unir a multidão de peregrinos da JMJ. Essa foi a missão assumida pelo peregrino Fábio Mateus Feitosa, de 38 anos.
Ele saiu de Trairi, no interior do Ceará, em 14 de março, um dia depois do anúncio da eleição do Papa Francisco. Na peregrinação, ele carrega apenas uma mochila com poucas roupas, uma vontade enorme de encontrar o Sumo Pontífice e uma carta assinada pelo Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Livramento em Trairi (CE), Padre Cleonor Magalhães, pedindo pela acolhida do paroquiano.
Fábio Mateus é casado, tem dois filhos e pediu demissão na fábrica de cocos que trabalhava para começar a aventura rumo a JMJ Rio2013. Maria Moreira, secretária da paróquia de Nossa Senhora do Livramento, da qual o peregrino participa, conta feliz que ele está “representando o nosso Trairi, o nosso Ceará”. E completa preocupada, “Ele vai caminhando. Eu não gosto nem de pensar durante a noite”.
A equipe da JMJ está acompanhando a peregrinação de Fábio Mateus. No dia 27 de maio, ele escreveu. “Estou em Vitória da Conquista, Bahia, e com a graça de nosso eterno Pai estarei em Minas Gerais na próxima semana”.
Fábio Mateus já passou por dificuldades no percurso. Precisou até improvisar uma rede para pernoitar. Mas nada disso o desmotivaram. “Estou tendo a oportunidade de viver a experiência de uma evangelização concreta com as comunidades que encontro no caminho”, disse.  

Juventude sem amor

            

       A banalização do mal é um fato para amplo setor da sociedade e é exposta como entretenimento nos jogos de polícia e bandido. Violentos filmes americanos divertem nossas crianças e jovens, ensinado lutas e perversões. As novelas da televisão exploram cada vez mais cenas de violência desmesurada. São conflitos, os mais hediondos, a realçarem a falta de ética e a ausência de pudor nas relações sociais, inclusive familiares. A propósito, mestres do pensamento fragmentado enaltecem a estética do mal: a vilania, a bandidagem e a infidelidade.
            Qual é o efeito dessa transmissão orquestrada, quase sistemática, de desconstrução moral e de desregramento dos costumes nas novas gerações? Reforça o mal existente e dificulta a ação saneadora? Ou promove a discussão salutar? Disse o Mestre: “Uma árvore é conhecida por seu próprio fruto” (Lc 6,43). De fato, vemos os efeitos adversos em tantas situações e instâncias. Cresceu a desestruturação familiar. Diminuiu a possibilidade de transmitir valores.
            Há quem clame pela intervenção de homens e mulheres com poder decisório, que amem a infância, a juventude, a família e a pátria. Terão coragem de remarem contra a corrente e serem rotulados e rechaçados como moralistas, reacionários e tradicionalistas? Poucos. O ser ético exige a resistência solitária no combate até o heroísmo da incompreensão. Requer Deus.
            O tema ocorre às portas da Jornada Mundial da Juventude e na continuidade da Campanha da Fraternidade voltada para os jovens. É movido pelo acontecimento mais desagradável dos últimos dias, ocorrido na nossa cidade, e o mais comentado. A filha de 17 anos planejou e assassinou sua mãe, no Cachambi, bairro afastado do noticiário policial. Chocou mais por ser matricídio e menos por ser realizado por uma jovem, menor de idade, pois a cidade digere (?!), há décadas, o alto índice de menores assassinados e infratores. Impressiona o número de rapazes e moças nas prisões e de adolescentes nas casas de custódia. Assustam aos passantes os jovens zumbis – mortos vivos – usuários de crack, que vagueiam pelas ruas como se fossem fantasmas. Mais do que nunca se entende por que a juventude é prioridade.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Jovens Adoradores: firmes na oração rumo à JMJ Rio2013

A exatos 38 dias para a Jornada Mundial da Juventude, enquanto a cidade cuida dos últimos preparativos para o grande encontro internacional com o Papa Francisco, os Jovens Adoradores recarregaram suas baterias na penúltima vigília, a última no Santuário Nacional de Adoração Perpétua - Igreja de Sant'Ana. A noite de sexta-feira, dia 14 de junho, foi um apelo aos jovens a se fortalecerem por meio da oração e rezarem em intercessão à JMJ Rio2013.
Na Santa Missa, presidida pelo pároco da Igreja Nossa Senhora de Fátima, no Méier, padre Antônio José Afonso da Costa, os jovens foram convidados a renovarem-se na fé em Jesus. Antes da aclamação ao Evangelho, a bíblia foi levada de mão em mão pela assembleia até chegar ao altar.
"O tesouro que você carrega dentro, e que ninguém pode roubar de você, é a sua fé. Hoje você é um vaso de barro, que carrega algo de muito valioso, que é a presença de Jesus”, disse padre Antônio José.
Com o tema “Pois, onde estiver um tesouro, ali também estará o seu coração”. (Lc 12,34), a vigília pode ser um refúgio em Deus para muitos jovens. Camila de Oliveira Koppe, moradora do Complexo do Alemão, disse que a vigília a fez refletir sobre sua vida.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Bote fé na JMJ

Para marcar que dentro de apenas um mês o Rio de Janeiro estará recebendo peregrinos do mundo inteiro para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013), a Arquidiocese vai estar mobilizada por uma carreata, que terá como pontos de partida locais em todos os vicariatos, no dia 23 de junho, das 16h às 18h. O evento, chamado de “Bote Fé na JMJ Rio2013”, ocorre em unidade com todas as capitais do país, que, atendendo à iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em parceria com o Comitê Organizador Local JMJ Rio2013 (COL), chamam a atenção para a contagem regressiva para o encontro que vai reunir rapazes e moças de todas as nacionalidades com o Papa Francisco, de 23 a 28 de julho.
Com o objetivo de dar visibilidade à JMJ Rio2013 e animar os jovens de todo o país, as carreatas pretendem ser um marco de unidade, na expectativa do evento mundial. Em cada localidade, pretende-se reunir pelo menos 100 carros.
No Rio de Janeiro serão oito pontos de partida das carreatas, sendo um por Vicariato, que seguirão para a Catedral de São Sebastião, na Avenida Chile. Cada Vicariato terá também o seu padroeiro.
De acordo com o Bispo Auxiliar responsável pela carreata nesta Arquidiocese, Dom Pedro Cunha, será um momento importante especialmente para toda a Igreja Local, que vai acolher o evento mundial no próximo mês.
— Prevemos que cada vicariato tenha 100 carros participando desta carreata. Durante a nossa concentração, falaremos da vida dos diversos padroeiros da nossa Jornada Mundial, e faremos uma oração final. Depois, vamos convidar todos os participantes para o interior da Catedral Metropolitana, onde vamos fazer adoração e o Arcebispo Dom Orani João Tempesta vai dar uma benção com o Santíssimo Sacramento.

Confira o local de saída de cada Vicariato e participe:

1) Vicariato Urbano: Ponto de concentração: Igreja de Santana, no Centro. Padroeiro: São Sebastião.
2) Vicariato Suburbano: Ponto de concentração: Igreja de São Jorge, em Quintino. Padroeiro: São Jorge.
3) Vicariato Oeste: Ponto de Concentração: Igreja Nossa Senhora da Conceição, em Realengo. Padroeira: Nossa Senhora Aparecida.
4) Vicariato Norte: Ponto de concentração: Praça Afonso Pena. Padroeira: Santa Teresinha.
5) Vicariato Jacarepaguá. Ponto de Concentração: Igreja Nossa Senhora de Fátima, no Pechincha. Padroeiro: Beato João Paulo II.
6) Vicariato Sul: Ponto de Concentração: PUC-Rio. Padroeiro: Beato José de Anchieta.
7) Vicariato Leopoldina: Ponto de Concentração: Igreja Bom Jesus da Penha. Padroeira: Santa Rosa de Lima - Jardim América.
8) Motociclistas: Ponto de Concentração: Praia de Copacabana. Padroeiro: São Frei Galvão.
De acordo com o Bispo, mesmo os que não possam participar da carreata estão convidados a, a partir das 17h, estarem presentes na Catedral, para este momento que marca a proximidade da JMJ Rio2013, em união com todas as capitais do país.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

O jovem e a Jornada

Por D. Orani João Tempesta, O. Cist.
Arcebispo do Rio de Janeiro

Estamos a 45 dias do início da Jornada Mundial da Juventude aqui no Rio de Janeiro. Os últimos e mais definitivos trabalhos prosseguem com rapidez para que estejamos prontos para acolher os jovens do mundo inteiro nesses abençoados dias.
Os símbolos da Jornada – a Cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora – já estão no Estado do Rio de Janeiro e no início de julho chegarão à nossa capital para a última etapa da peregrinação.
As últimas visitas dos responsáveis pela vinda do Santo Padre já aconteceram e as últimas definições, juntamente com as autoridades brasileiras, já foram tomadas.
As famílias, escolas, quadras, salões se preparam para acolher jovens de 170 nações e com 55 idiomas. Os locais de catequese, com seus respectivos idiomas, já foram definidos e começam a ser preparados com alegria pela comunidade paroquial local.
As viagens marcadas e os deslocamentos agendados, cidade organizada e preparada para receber um evento diferente: jovens que querem ser protagonistas de uma nova humanidade na história! Para isso querem simplesmente viver a vida cristã como ensinou Jesus Cristo e, em diálogo com todos, propor tempos novos.
Nesse sentido, a liturgia deste domingo é para nós um belo e importante sinal. Fala da ressurreição do filho da viúva de Naim. A consternação geral com o filho único de uma viúva sendo sepultado nos fala de limites humanos. Demonstra toda a questão da dor do momento e a incerteza do futuro. Nas tradições da época, uma viúva é alguém desamparada. E mais: a morte de um jovem que, segundo os cálculos humanos, ainda tem muito tempo de vida pela frente, sempre desperta uma situação incômoda nas pessoas ao redor.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

JMJ terá 273 locais de Catequese

Igrejas, salões, ginásios, quadras e auditórios já estão reservados para os momentos de Catequese, durante a JMJ Rio2013. São 273 locais espalhados em 10 regiões do Rio de Janeiro, e dioceses vizinhas, chamadas subsedes, como Niterói, Nova Iguaçu e Duque de Caxias.
De acordo com o padre Leandro Lenin, diretor executivo do Setor Preparação Pastoral e Catequese, o número de locais pode crescer para 300, divulgados inicialmente pela organização, caso as inscrições de peregrinos aumentem nesta reta final da Jornada.
— Os nossos jovens, respondendo ao pedido de inscrição, vão mostrar pra gente que eles estão querendo participar e a nossa postura é a de oferecer também catequese para eles. A gente quer que eles tenham participação neste momento da Jornada, afirmou padre Leandro.
Os locais serão chamados “sedes de Catequese” e estão organizados nas seguintes regiões: Jacarepaguá, Norte, Suburbano, Urbano, Sul, Leopoldina, Oeste, Nova Iguaçu, Niterói e Caxias. Uma paróquia pode ter mais de uma sede. E a mescla diferentes línguas em uma mesma paróquia tem por objetivo promover a diversidade cultural dos peregrinos e ajudar na distribuição dos participantes entre as sedes e paróquias.
Em todas as regiões haverá oferta de catequese em português e espanhol, línguas utilizadas pela maioria dos peregrinos. Serão 133 sedes em língua portuguesa e 50, em espanhol. As outras línguas principais do evento estarão distribuídas da seguinte forma: 25 locais para a catequese em inglês, 15 em italiano, 15 em francês, oito em alemão e cinco em polonês. Ao todo, haverá catequese em cerca de 20 idiomas, entre eles árabe, croata, dinamarquês, esloveno, grego, tcheco, russo. As regiões Sul, Urbano, Norte e Niterói terão maior concentração de locais para os peregrinos dessas línguas.  Segundo padre Leandro, isso facilita a assistência dos jovens estrangeiros aos seus consulados, caso haja necessidade.  
Os peregrinos serão direcionados às catequeses próximas aos seus locais de hospedagem. Nos locais também haverá a distribuição dos kits de café da manhã para os peregrinos que optaram pela alimentação da JMJ na hora da inscrição.
As pessoas com deficiência terão uma Catequese especial, reunidos em um só local, o único com tradução simultânea para as sete línguas oficiais.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

JMJ deixará legado ambiental

Nas últimas décadas, muitos têm sido os esforços da humanidade em prol do meio ambiente. Com as recentes notícias de cientistas sobre o rápido derretimento das geleiras e a intensificação do aquecimento global, em escala alarmante, já são numerosas as ações de instituições e pessoas pela reversão deste processo e de tantos outros que afligem a existência de vida no planeta. É aí que a Igreja também está engajada. Neste cenário, a Jornada Mundial da Juventude Rio2013 promete deixar um legado ambiental para a cidade do Rio, para o país e para o mundo.
Por isso, dia 3 de junho, foi lançado, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), o Guia Ecológico da JMJ, que vai fazer parte do kit que os peregrinos receberão na Jornada. O lançamento do guia fará parte da Semana do Meio Ambiente da PUC, em comemoração ao Dia Mundial do meio Ambiente, hoje, 5 de junho.
Elaborado pelo reitor da PUC-Rio, padre Josafá Siqueira, e pelo diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC (NIMA), Luiz Felipe Guanaes, a pedido da Arquidiocese do Rio, o guia tem duas versões, uma em Língua Portuguesa e outra em Língua Inglesa. Ele foi inspirado em diversos documentos da Igreja sobre o meio ambiente, entre eles o documento “Curar o mundo ferido”, um relatório especial sobre ecologia produzido pelo Secretariado de Justiça Social e Ecologia da Companhia de Jesus.
Segundo padre Josafá, o guia vai despertar os jovens para que usem a fé na preservação da Criação de Deus. “O objetivo do Guia Ecológico para a JMJ consiste em enfatizar a importância de ações sustentáveis nos grandes eventos; mostrar que a questão ecológica está relacionada com a fé; lembrar a responsabilidade teológica com a criação e a nossa missão de cuidar daquilo que Deus colocou em nossas mãos; e mostrar a preocupação ética da Igreja com o meio ambiente", explicou.
De acordo com Guanaes, o guia começa destacando as belezas naturais da Cidade Maravilhosa, com seus parques e suas florestas, e os cuidados que os jovens devem ter com o meio ambiente quando estiverem no Rio, seja enquanto estiverem em casa ou nos eventos da JMJ. “A gente começa o texto falando da cidade do Rio, que é um tributo à natureza. O Cristo Redentor é o símbolo que te faz olhar para cima. E, na hora em que você olha para cima, tem uma coroa de verde em volta. Este lugar é especial e a relação homem-natureza se expressa de uma forma muito concreta”, afirmou.
Neste sentido, o guia sugere uma série de compromissos. A gente sugere uma série de compromissos, como a preocupação em descartar o lixo na lixeira e em tentar usar o mínimo possível de transportes com alta produção de CO2, optando por andar um pouco, alugar uma bicicleta ou pegar o metrô. Além disso, o documento também destaca o cuidado que o peregrino deve ter dentro do local onde ficar hospedado, como a atenção para o desperdício de água e luz. “A gente tenta estimular o jovem nesse processo de aumentar a sensibilização dele. Falamos também de barulho porque é o respeito ao outro. Ele está na casa do outro e tem que continuar a respeitar os mesmos princípios”, enfatizou o diretor do NIMA.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Dom Eduardo propõe que cada comunidade realize seu Plano Paroquial de Evangelização da Juventude

Brasília, 01 de junho de 2013.

Caros irmãos Párocos e Administradores Paroquiais,
Vigários Paroquiais e demais Presbíteros.

“Darei aos sacerdotes o poder de tocar os corações mais endurecidos” (11ª. Promessa do Sagrado Coração de Jesus).

Entramos no mês que antecede a tão esperada JMJ Rio 2013. Os corações estão acelerados e os trabalhos de preparação cuidadosamente encaminhados para garantir que este acontecimento, que já tem proporcionado muitos frutos pelo Brasil afora, principalmente devido à Peregrinação da Cruz e do Ícone de Nossa Senhora, marque ainda mais a vida de nossos jovens e provoque significativas transformações na proposta pedagógico-pastoral da Igreja junto a eles.
Enquanto muitos jovens de sua paróquia estão se organizando, convido-os a pensar seriamente no processo de evangelização da juventude local impulsionada por este momento. Precisamos acolher com sabedoria e gratidão este presente que Deus está nos concedendo. Há um dinamismo próprio deste acontecimento que tem atraído muitos jovens e oferecido a nós uma singular oportunidade para organizar melhor nossa presença no meio deles. O reconhecimento das frentes já existentes, o fortalecimento das estruturas e projetos que já estão dando certo, a criação de outras iniciativas e a organização de tudo isto num plano de evangelização paroquial poderão garantir um novo tempo em nossos ambientes eclesiais.