quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Jovens: uma opção preferencial

D. Orani João Tempesta
Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro

Iniciamos o mês de outubro, e como alguns meses são muito expressivos e temáticos na Igreja no Brasil, o de outubro não é diferente. Mês do Rosário, dedicado às missões, convocando todo o povo de Deus a se fazerem missionários do Evangelho, que se inicia com a Semana Nacional da Vida e a celebração da Rainha e padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida; mês que rezamos pelas nossas crianças, para que tenham um futuro resguardado pela fé e esperança. Enfim, muitos são os motivos para rendermos graças ao Pai neste mês que se inicia, mas uma intenção especial requer nossa atenção, pois entre os dias 3 e 28 estará acontecendo, em Roma, o Sínodo dos Bispos sobre a Juventude, com o tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.
O tema foi estabelecido após uma consulta às Conferências Episcopais, às Igrejas Orientais Católicas, a União dos Superiores Gerais e a sugestão dos padres da última Assembleia Sinodal. Reúne, num único tema, as preocupações de bispos, padres, religiosos e religiosas, e até das Igrejas Orientais que representam um grande número de homens e mulheres preocupados com a evangelização dos jovens.
Pesquisas revelam que um bilhão e 800 mil pessoas entre 16 e 29 anos, isto é, ¼ da Humanidade, são os jovens do mundo. Só os números nos causam perplexidade, pois como anda a vida de fé e de compromisso comunitário desses jovens? No Instrumento de Trabalho do Sínodo, os padres sinodais puderam encontrar a descrição de sua variedade, suas esperanças e dificuldades, pois foi um momento de convergência da escuta de todos os componentes da Igreja e também de vozes que não pertencem a ela.
O Documento Preparatório, elaborado para consultar a Igreja no mundo inteiro, inicia dizendo que “através dos jovens, a Igreja poderá ouvir a voz do Senhor que ressoa, inclusive nos dias de hoje. (…) ouvindo as suas aspirações, podemos entrever o mundo de amanhã que vem ao nosso encontro e os caminhos que a Igreja é chamada a percorrer”. O Papa também ouviu os jovens reunidos na semana anterior ao Domingo de Ramos, tanto presencialmente como virtualmente. Tudo isso foi acrescentando dados ao documento preparatório para a elaboração do instrumento de trabalho.
Esse material, enviado a todas as dioceses do mundo, foi estruturado em três partes: reconhecer, interpretar e escolher, buscando oferecer as chaves de leitura da realidade juvenil, baseando-se em diferentes fontes, entre as quais um questionário on-line que reuniu as respostas de mais de cem mil jovens.
Depois de viver neste último final de semana um belo encontro com os jovens da região junto aos Arcos da Lapa, aqui no Rio de Janeiro, e em preparação ao Dia Nacional da Juventude, somos chamados a refletir e a rezar juntos para que este tempo dedicado aos jovens nos ajude a esclarecer os caminhos a serem percorridos para que, jovens evangelizados, sejam sinais e evangelizem outros jovens.
A primeira parte trata dos “Jovens no Mundo de Hoje”, mundo que se transforma rapidamente em todos os sentidos. Este mundo que é multicultural e multirreligioso. Por ser de diferentes tradições religiosas, representa um desafio e uma oportunidade: pode aumentar a desorientação e a tentação ao relativismo, mas, ao mesmo tempo, cresce a possibilidade de confronto fecundo e de enriquecimento recíproco. A questão da multiculturalidade aparece nas chamadas “segundas gerações”, ou seja, jovens que crescem numa cultura diferente daquela em que cresceram seus pais. É o forte movimento migratório pelo mundo afora. Aos olhos da fé parece que este é um sinal do nosso tempo, o qual exige um crescimento na cultura da escuta, do respeito e do diálogo, enfim, da cultura do encontro. Outros elementos de análise que o texto sugere: Como vivem os jovens nas diversas partes do mundo? Como é trabalhada a inclusão dos jovens? Grande desafio representa o grande número de jovens que “nem estudam, nem trabalham, nem se educam para uma profissão”. Quais são as referências para os jovens que sejam próximas, credíveis, honestas?
Portanto, ao querermos responder esses desafios lançados pelo Papa Francisco, outros, de nossa realidade, também vão nascendo: o que querem os jovens de hoje? Sobretudo, o que buscam na Igreja? Em primeiro lugar, desejam uma “Igreja autêntica”, que brilhe por “exemplaridade, competência, corresponsabilidade e solidez cultural”, uma Igreja que compartilhe “sua situação de vida à luz do Evangelho, ao invés de fazer pregações”, uma Igreja que seja “transparente, acolhedora, honesta, atraente, comunicativa, acessível, alegre e interativa”. Enfim, uma Igreja “menos institucional e mais relacional, capaz de acolher sem julgar previamente, amiga e próxima, acolhedora e misericordiosa”.
Há também quem não pede nada à Igreja ou pede que seja deixado em paz, considerando-a uma interlocutora não significativa ou uma presença que “incomoda e irrita”. Um motivo para essa atitude está nos casos de escândalos sexuais e econômicos, como bem nos recordou o Santo Padre dias atrás, sobre os quais os jovens pedem à Igreja que “reforce sua política de tolerância zero”. Outro motivo está no despreparo dos ministros ordenados e na dificuldade da Igreja em explicar o motivo das próprias posições doutrinais e éticas diante da sociedade contemporânea.
Diante desses e outros desafios emergentes na evangelização de nossos jovens, devemos ter nítidos alguns métodos que podem nos ajudar nesse campo tão fértil e laborioso. A escuta: os jovens querem ser ouvidos com empatia; Acompanhamento: espiritual, psicológico, formativo, familiar e vocacional; Conversão: seja de tipo religioso, sistêmico, ecológico e cultural; Discernimento: uma das palavras mais usadas no documento, seja no sentido de uma “Igreja em saída” para responder às exigências dos jovens, seja como dinâmica espiritual; Desafios: discriminações religiosas, racismo, precariedade no trabalho, pobreza, dependência de drogas e álcool, bullying, exploração sexual, corrupção, tráfico de pessoas, educação e solidão; Vocação: repensar a pastoral juvenil; Santidade: o documento se concluiu com uma reflexão sobre a santidade, “porque a juventude é um tempo para a santidade”. Que a vida dos santos inspire os jovens de hoje a “cultivar a esperança” para que – como escreve o Papa Francisco na oração final do documento – os jovens, “com coragem, tomem as rédeas de sua vida, almejem as coisas mais belas e mais profundas, e mantenham sempre um coração livre”.
Não podemos esquecer a Conferência de Puebla, no México, em (1979), que assinalou: “Lembremos que a opção preferencial, definida em Puebla, é dupla: pelos pobres e pelos jovens. É significativo que a opção pela juventude seja, de maneira geral, totalmente silenciada”. Essa constatação é sintomática e nos leva a repensar seriamente sobre as práticas pastorais que tivemos no passado e o porquê do “silêncio” na atenção que deveria ter sido dada à juventude.
A convocação do Sínodo é uma atitude querida pelo Papa Francisco, que nos trará questões fundamentais para toda a vida pastoral da Igreja, nesta opção que a mesma Igreja é agora universalmente chamada a assumir. Não será um evento sem perspectivas, mas, ao contrário, nos trará incentivos e possibilidades de amadurecimento na ação missionária junto à juventude. O empenho de todos os que compõem o povo de Deus é condição sem a qual essa atenção, maternal e acolhedora, não terá o êxito querido pelo Santo Padre. Desde já, unamos nossa torcida para que o Sínodo projete luzes para compreendermos mais profundamente os muitos aspectos relevantes do mundo dos jovens e, assim, podermos levar a eles o Evangelho.

Fonte: http://arqrio.org/formacao/detalhes/2353/jovens-uma-opcao-preferencial

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Papa abre o Sínodo dos jovens: que o Espírito nos dê a capacidade de sonhar

Na Praça S. Pedro, o Papa Francisco presidiu à missa de abertura da XV Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos e pediu aos 266 Padres sinodais que reavivem a própria paixão por Jesus.

O Santo Padre presidiu esta manhã (03/10), na Praça São Pedro, à solene celebração da Santa Missa por ocasião da inauguração do Sínodo dos Bispos, que se realiza no Vaticano de 3 a 28 do corrente, sobre o tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.
O Papa iniciou sua homilia com o trecho do Evangelho de São João, que diz: “O Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará tudo e recordará tudo o que Eu lhes disse”.
Desta maneira tão simples, - disse o Papa - Jesus oferece aos seus discípulos a garantia de que o Espírito Santo os acompanhará em toda a sua obra missionária. O Espírito do Senhor é o primeiro a guardar e manter sempre viva e atual a memória do Mestre no coração dos discípulos e faz com que a riqueza e beleza do Evangelho sejam fonte de constante alegria e novidade. E Francisco exortou os presentes:
“No início deste momento de graça para toda a Igreja, em sintonia com a Palavra de Deus, peçamos insistentemente ao Paráclito que nos ajude a trazer à memória e reavivar as palavras do Senhor, que faziam arder o nosso coração. Memória para que possa despertar e renovar em nós a capacidade de sonhar e esperar. Os jovens serão capazes de profecia e visão, na medida em que nós, adultos ou idosos, formos capazes de sonhar, contagiar e partilhar os nossos sonhos e esperanças”.

Sonhos e esperanças
O Santo Padre expressou seu desejo de que “o Espírito do Senhor nos dê a graça de sermos Padres sinodais, ungidos com o dom dos “sonhos e da esperança”, para podermos ungir os jovens com o dom da profecia e da visão; possa dar-nos a graça de sermos memória atuante, viva e eficaz, que não se deixa sufocar e esmagar pelos falsos profetas, mas levar a inflamar o coração e discernir os caminhos do Espírito. E acrescentou:
“É com esta disposição de dócil escuta da voz do Espírito que viemos aqui, de todas as partes do mundo. Hoje, pela primeira vez, estão conosco também dois irmãos Bispos da China continental, a quem damos as nossas calorosas boas vindas. Com a sua presença, a comunhão de todo o Episcopado, com o Sucessor de Pedro, torna-se ainda mais visível”.

Dilatar os corações
Ungidos com a esperança, - disse Francisco - começamos um novo encontro eclesial, capaz de ampliar os horizontes, dilatar os corações e transformar as estruturas, que hoje nos paralisam, dividem e afastam dos jovens, deixando-os expostos às intempéries e órfãos de uma comunidade de fé que os apoie, de um horizonte de sentido e de vida. A esperança interpela-nos, destronca o conformismo e nos convida a trabalhar contra a precariedade, exclusão e violência, às quais está exposta a nossa juventude. E falando dos jovens, o Papa disse:
“Os jovens, fruto de muitas das decisões tomadas no passado, exortam-nos a cuidar do presente, com maior esforço e com eles, a lutar contra tudo aquilo que impede a sua vida de crescer com dignidade. Pedem-nos e exigem-nos uma dedicação criativa, uma dinâmica inteligente, entusiasta e cheia de esperança, e que não os deixemos sozinhos nas mãos de tantos traficantes de morte que oprimem a sua vida e obscurecem a sua visão”.

Sob a proteção de Maria
O dom da escuta sincera deve ser livre de preconceitos para entrarmos em comunhão com as diferentes situações do Povo de Deus, sem cairmos na tentação de certos moralismos, elitismos e de ideologias abstratas. E o Papa convidou os Padres Sinodais, dizendo:
“Irmãos, coloquemos este tempo sob a proteção materna da Virgem Maria, mulher da escuta e da memória, para que nos guie no reconhecimento dos vestígios do Espírito, a fim de que, entre sonhos e esperanças, possamos acompanhar e encorajar nossos jovens para que não cessem de profetizar”.
Neste sentido, Francisco recordou que, ao término do Concílio Vaticano II, os Padres Conciliares dedicaram a sua última mensagem aos jovens: «A Igreja, durante quatro anos, trabalhou para um rejuvenescimento do seu rosto, para melhor responder à intenção do seu fundador, Cristo, o eterno jovem... É especialmente para os jovens que a Igreja acende, neste Concílio Ecumênico, uma luz, que iluminará o futuro da juventude. A Igreja espera que a sociedade respeite a dignidade, a liberdade, o direito sobretudo dos jovens».
Francisco concluiu sua homilia exortando os Padres Sinodais e representantes da Igreja no mundo, a alargar seus corações, a escutar o apelo do Povo de Deus e a colocar suas energias a serviço da juventude:

“Lutem contra todo o egoísmo. Rejeitem dar livre arbítrio aos instintos da violência e do ódio, que geram guerras e suas consequentes misérias. Sejam generosos, puros, respeitadores, sinceros. Construam, com entusiasmo, um mundo melhor, que o dos seus antepassados. Padres sinodais, a Igreja olha para vocês com confiança e amor.”


Fonte: https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2018-10/sinodo-jovens-2018-santa-missa.html

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Cor in Rio: o plano divino para o amor humano

Em comemoração aos 50 anos da publicação da Encíclica “Humanae Vitae”, do então Papa Paulo VI, a Arquidiocese do Rio de Janeiro promoveu o evento “Cor in Rio”, nos dias 14 e 15 de setembro, que contou com a presença do teólogo americano Christopher West, que há 20 anos estuda a teologia do corpo de São João Paulo II.
Bispo auxiliar do Rio e animador do evento, Dom Antonio Augusto Dias Duarte explicou que “o tema da sexualidade sempre esteve presente na catequese e evangelização da Igreja, em algumas épocas não sendo o tema primordial. Porém, desde o princípio, o cristianismo sempre prestigiou a sexualidade: para a Encarnação, foi preciso pedir a permissão de uma mulher, Maria; a Ressurreição foi anunciada por outra mulher, Maria Madalena. Porém, agora, é de extrema importância porque a sexualidade tem sido banalizada. Então, quando um leigo, jovem, casado, pai de cinco filhos fala de afetividade, relação íntima, transmissão da vida, vai contra a corrente que o mundo prega”, esclareceu.
Dom Antonio afirmou, também, que o evento foi totalmente preparado, divulgado e organizado somente através das redes sociais, mostrando “a importância dela para a evangelização” e que as inscrições foram suficientes para cobrir os custos organizacionais.
Ainda segundo ele, o encontro, que contou com a presença de mais de 1,8 mil pessoas de todo país, além de sacerdotes vindos do Peru, teve três pontos significativos: “o primeiro deles foi a presença maciça de jovens, mesmo no primeiro dia, dedicado aos celibatários; depois, o vasto conhecimento do pregador, que não abordou somente a temática, mas falou sobre arte, beleza, música, citando Bono Vox, U2, os quais falam de sexualidade de maneira positiva. Então, fomos da teologia ao pop rock, e isso conquistou os presentes, levando-os ao entusiasmo de continuar estudando o tema. Além disso, a disponibilidade daqueles que serviram foi emocionante. Orientados pelo casal Tatiana e Ronaldo Melo, eles não mediram esforços para fazer com que o ambiente não fosse somente de caráter conferencista, mas familiar”, salientou.

Celibato e sexualidade
O primeiro dia do encontro foi realizado na Paróquia São José, na Lagoa, destinado aos sacerdotes, religiosos, seminaristas e membros de novas comunidades. Na ocasião, Christopher West deu início ao evento, afirmando que, de maneira especial, os padres são chamados a falar sobre o plano divino para o matrimônio e a dedicar o ministério aos casais, tendo, assim, credibilidade para orientá-los. “Muitas pessoas, às vezes, podem questionar a vocês, sacerdotes: ‘como você pode falar de matrimônio, se não é casado?’. Mas os padres têm grande credibilidade porque não podemos pensar que o celibato está de um lado e o matrimônio do outro. Ambos estão intimamente ligados”.
Ele ainda acrescentou: “não posso compreender o que é a vida matrimonial, como sacramento, se eu não compreendo o que é o celibato. Da mesma forma que não é possível entender o celibato, se não se compreende o plano divino no casamento”, destacou.
Christopher West também ressaltou que não se pode separar a vida espiritual da sexualidade, mesmo no celibato. “Os problemas acontecem, às vezes, a partir da sexualidade, o que nos causa sofrimento e nos faz colocá-la numa caixa. Então, vivemos uma vida espiritual separada da sexualidade. Não é isso que ensina a nossa fé, não é esse o nosso chamado. Não podemos colocar nossa sexualidade numa caixa porque temos medo dela; o objetivo é integrar o corpo e a alma. Se vivemos divorciados de nosso corpo, estamos mortos, porque é isso que significa a morte. Jesus veio para nos ressuscitar dos mortos e Ele faz isso reintegrando o corpo e a alma”, frisou.
O teólogo ainda sublinhou que a vocação celibatária é a doação do corpo para Deus e a Igreja. “A sexualidade afeta todos os aspectos da pessoa humana, especialmente, a afetividade, a capacidade de amar. Esse é o chamado do Evangelho. Ser celibatário não significa que você não é chamado a amar com o corpo. Pelo contrário, essa é a doação do seu corpo para a Igreja. Anjos não podem ser celibatários porque eles não têm corpos. O homem e a mulher celibatários doam seus corpos a Cristo e à Igreja, tornando-se pais e mães espirituais”, completou.

‘The Cor Seminar’
Já no segundo dia, aconteceu, no Centro de Convenções Windsor Oceânico, na Barra da Tijuca, o “The Cor Seminar”, o qual contou com a participação de leigos, além de religiosos, de maneira geral. No encontro, Christopher West tratou de temas sobre a afetividade e a sexualidade humana, à luz da teologia do corpo de São João Paulo II.
Logo no início do encontro, ele trouxe a proposta da vivência em 3D. “No inglês, essa expressão quer dizer ‘três dimensões’. Porém, neste momento, os 3Ds de que falamos são: desejo, desígnio e destino. Com a graça de Deus, aprenderemos a como direcionar nossos desejos, de acordo com o desígnio de Deus, sendo direcionados ao nosso destino: o eterno”, enfatizou.
Segundo ele, “temos um inimigo que odeia a nossa fertilidade. O seu ódio, desde o princípio, tinha um foco: o útero. No Gênesis, Deus fala a Lúcifer: ‘vou colocar inimizade entre ti e a mulher; você vai odiar a capacidade dela de gerar filhos’. O dragão, no Livro do Apocalipse, quer devorar o filho da mulher grávida.
Esse mesmo livro fala da clínica de aborto: ‘o dragão quer devorar a criança no útero’. Vivemos uma batalha em nosso mundo, e Cristo veio para destruir as obras do inimigo, fazendo do útero o lugar da vida. Essa é a nossa fé”, finalizou.

Fonte: http://arqrio.org/noticias/detalhes/6978/cor-in-rio-o-plano-divino-para-o-amor-humano